(A)GENTE DA MÚSICA, FORUM DE PROFISSIONAIS DA MÚSICA LANÇADO NA SIM

Lançado nesta semana durante um dos meetups da SIM São Paulo, o fórum de discussão (A)gente da Música une profissionais que atuam no agenciamento e gestão de carreiras musicais por todo o Brasil. “A SIM é o principal evento do mercado da música na América Latina, então pra gente na verdade foi excelente lançar durante a SIM São Paulo porque a gente já consegue falar com o mercado todo, se posicionar para o coletivo do mercado de uma forma mais ampla, então a gente só agradece a SIM São Paulo pelo espaço e agora as agências vão todas seguir aí ocupando o resto da programação da SIM. Inclusive fazendo um outro meeting em parceria com a MMF Latam e a Abrafin no dia 18 de novembro juntando as agências e os festivais latino-americanos”, diz Ricardo Rodrigues, um dos criadores do fórum.

A proposta que surgiu organicamente a partir de grupo de WhatsApp que reunia agencias de todo o país para trocar informações, divulgação, contatos de fornecedores. Ricardo Rodrigues fazia parte dessas conversas e explica o momento em que eles perceberam a necessidade de focar em algo mais específico: “A gente não tinha ainda uma ação prática conjunta, não tinha uma representatividade e tal, então a gente já discutia isso e pensou: vamos criar um espaço aqui mais focado nessa discussão. Criamos outro grupo e começamos a discutir o que que nos unia, quais eram as nossas características mais fortes e quais eram nossas preocupações mais fortes que a gente deveria se posicionar para defender. E foi aí que surgiu a pauta do midstream como algo que nos une, um termo que nem é tão utilizado, um termo meio recente, mas que diz muito do que é da nossa preocupação e o que nos une, que é a ideia de ter uma faixa profissional no mercado que é sustentável, de pessoas que conseguem se dedicar exclusivamente à música, a partir da profissionalização sem estar diretamente envolvido ou responder aos grandes agentes da música ou do mercado do mainstream”. Diz ele.

O (A)gente Cultural surgia com um olhar para a união, troca e soma para a construção de uma frente ampla para lutar pelo desenvolvimento do mercado musical brasileiro sob a perspectiva desse setor. A ideia é garantir que mais pessoas possam viver da música.
“E para isso, a profissionalização é importante, o trabalho em rede é importante e esse legado que nós construímos especialmente nos últimos 15 anos da música tida como independente, música não ligada aos grandes conglomerados, que se fortaleceu, a gente tá com medo né do impacto dessa crise ser tão forte e fazer com que a gente perca muito do que a gente conquistou nesses 15 anos. Então a ideia é se unir para fazer com que isso não aconteça, bem na ideia de um ajudar o outro mesmo, de criar uma troca de experiências e posicionar frente ao mercado de forma conjunta para ter força mesmo e a gente seguir em frente, então é uma preocupação muito grande nesse sentido”, explica Ricardo.
O fórum vem em um momento em que os agentes terão uma difícil tarefa, a de se estruturar de forma coletiva e solidária diante da nova realidade do mercado musical pós pandemia.

“O coletivo é muito diverso, tem pessoas que trabalham há muitos anos no mercado da música e tem gente começando agora. Então tem uma parte do coletivo que tenta nivelar a formação, garantir o acesso à informação, o acesso às oportunidades de formação e conteúdo igual para todos, para que a gente possa trabalhar junto e ao mesmo tempo também tem uma boa parte da galera mais experiente que quer garantir que essa representatividade seja forte para poder brigar também, lutar e defender os artistas e os projetos frente às outras redes. Tem um objetivo muito forte de representatividade também”, conclui Ricardo.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Categorias:

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ SIM NEWS

pt_BRPortuguês do Brasil