O Instituto Oi Futuro, em seu laboratório de áudio Oi Labsonica, promoveu em conjunto com o Estúdio Toca do Bandido um projeto que selecionou 6 artistas do país – Caio Prado (RJ), Luciane Dom (RJ), Tuim (RJ), Varandão (RJ), Bule (PE) e Sandyalê (SE) – para acelerar aspectos artísticos e de empreendedorismo em suas carreiras musicais, chamado Aceleração Musical Labsonica: Edição Toca do Bandido.

Durante o processo, que ocorreu entre agosto e outubro deste ano, os artistas selecionados passaram por processos de produção e capacitações, contabilizando produção musical, direção de arte, mentorias e soluções estratégicas para escalar no mercado musical. 

Os produtos estão sendo lançados e divulgados pelo selo Toca Discos, nas plataformas digitais, entre outubro e dezembro de 2020.

Os artistas também produziram performances ao vivo no estúdio Labsonica com a finalidade de mostrar ao público especializado no mercado musical durante a SIM SP 2020.

O Pitching de encerramento acontecerá na SIM SP, no dia 05/12, e serão convidados profissionais do meio musical para avaliar os projetos dos artistas.

O artistas irão apresentar os resultados da aceleração em formato de pitching, elencando números, ações, vídeo ao vivo em estúdio, singles lançados e clipagem de matérias na imprensa nacional.

Mais sobre cada selecionado:

Bule música brasileira, dançante e tropical que explora timbres, sonoridades e substâncias dos anos 1980, onde estão fervidos o orgânico e o eletrônico, o beat e a conga, o synth e a guitarra. Iniciada no Recife, em 2017, a banda é formada por Pedro Lião (voz, guitarra, sintetizadores), Carlos Filizola (guitarra, sintetizadores, programações), Daniel Ribeiro (percussão, programações), Bernardo Coimbra (contrabaixo, sintetizador) e Kildare Nascimento (bateria). Músicas lançadas pelo Labsonica- Toca do Bandido: 

Boto o olho“A ideia da música surgiu das incertezas instigadas pelo isolamento social da quarentena. Aquelas pequenas angústias que rodeiam a vida diante do problema maior e colocam a gente refletindo exageradamente sobre elas, num ciclo de pensamento travado.” A banda explica.

Baby“É sobre amor próprio. Muitas vezes, a gente esquece de nutrir uma relação saudável com a gente mesmo e acaba deixando de lado um exercício muito poderoso para vida”, segundo os próprios.

Para o produtor musical Felipe Rodarte “Bule tem uma personalidade forte e assinatura, com influências musicais brasileiras e internacionais. Eles têm um sotaque bem arraigado do nordeste praiano, tropical.” Constança Scofield, produtora artística e uma das idealizadoras do projeto, completa: “composição é um dos fortes dessa banda incrível. Adoro suas poesias.”

Instagram | Facebook | Youtube | Spotify

 

 

Caio Prado nasceu e cresceu em Realengo, no subúrbio carioca, sempre atitude, luta, ideias frescas e um trabalho de música popular brasileira contemporânea, que dialoga com muitos públicos. Em 2015, lançou seu primeiro disco “Variável Eloquente”. O segundo disco veio em 2018: “Incendeia”, que possui nove faixas autorais. Ele trabalha atualmente no disco “Griô”, que terá sua primeira parte lançada pelo Labsônica e pauta questões de raça e cultura afro brasileira – além da luta antirracista. Músicas lançadas pelo Labsonica- Toca do Bandido:

Não sou teu negro – um manifesto antirracista e faz parte de seu próximo disco, Griô, uma música MPB contemporânea que dialoga com o que há de mais moderno na música mundial, trazendo elementos de raiz, uma percussão pesada, bem afro, sopros e guitarra.

Baobá – é uma árvore trazida num navio da África e a narrativa dessa música tem essa construção imagética, uma metáfora do sequestro que houve dos negros para o Brasil.

Instagram | Facebook | Youtube | Spotify

 

 

Luciane Dom é cantora e compositora, ela usa a música e as artes visuais para traduzir suas observações sociais e raciais. A cantora e compositora, moradora do Rio de Janeiro, toma a ancestralidade como ponto de partida e como resultado cria uma fusão de linguagens, temporalidades, ritmos e poesia. Artista da nova geração da MPB tem um estilo musical que mistura reggae, candomblé e uma visão moderna do jazz. A perspectiva crítica de Luciane a levou por palcos no Brasil, Estados Unidos e Chile. Seu trabalho combina música e artes visuais, já que a artista também produz trilha sonora para filmes, bem como atua em projetos de produção musical dentro de presídios juvenis (Manifesto – To). Já cantou com Luedji Luna, Vox Sambou, Liniker, passou por diversos palcos importantes, como Circo Voador, Fundição Progresso, além do Nublu (NYC) e Chelsea Music Hall (NYC). é formada em história e espalha cultura afro em um ato de resistência musical pop. Músicas lançadas pelo Labsonica- Toca do Bandido: Si Bu Kre e Notícia Boa 

Si Bu Kre A canção tem o propósito de valorização do negro pelo viés do amor. “A inspiração veio de pensar em amor olhando pro mar, e pensando na liberdade que é amar alguém e também se amar, e principalmente falando em amor entre pessoas pretas, porque acho que nós somos sempre condicionados a sermos fortes, suportarmos a dor do racismo, a violência policial, mas e os afetos? Como a gente ama? Como criamos nossos filhos envoltos em amor?” – conta a compositora e cantora Luciane Dom.

Notícia BoaA compositora define como uma fala de amor, conhecimento do próprio corpo e de quem se ama, uma canção repleta de sensualidade. “Ela é dona de uma voz que não vai passar despercebida nem perante os ouvidos mais distraídos.”, inicia Constança Scofield, diretora artística do estúdio Toca do Bandido, para definir a artista. “um canto lindo, manso, melodioso e swingado, mas com muita história para contar”, completa Constança.

Instagram | Facebook | Youtube | Spotify

 

 

Sandyalê vem de Aracajú, Sergipe. Lançou o seu primeiro álbum em 2014: “Um no Exame”, que apresenta fortes influências de MPB e do reggae, sem deixar de lado as raízes nordestinas. Seu segundo disco “Árvore Estranha”, foi lançado em outubro de 2019 e apresenta uma atmosfera New Wave, Trip Hop, pós punk baseada em baterias eletrônicas, sintetizadores e samplers. Ela conta histórias sobre a experiência de sua mudança para São Paulo, onde viveu por dois anos, além de suas relações socias e afetivas. . “A artista sergipana é uma grata surpresa do Festival Aceleração Labsonica.” – declara Constança Scofield, gestora do estúdio Toca do Bandido. Músicas lançadas pelo Labsonica- Toca do Bandido: 

Tateia “a música fala sobre o físico, mundano, sobre a finitude das coisas, sensações e experiências. Que no fim é o que a gente leva, quando o fio da vida é cortado, quando a morte chega.”

Espera – “Eu preciso justamente disso – expandir o meu trabalho – levar ele de Aracajú para os grandes centros.” – declara Sandyalê. Em 2014, a cantora lançou seu primeiro álbum, “Um no Enxame”, que teve ótima aceitação do público e foi muito elogiado pela crítica. O trabalho apresenta fortes influências de MPB e do reggae, explorando os timbres orgânicos. Entre 2016 e 2018 divulgou o álbum por alguns estados como Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. “Sandyalê é uma artista que merece ser vista por todos.” – conclui Iuri Freiberger, produtor musical e um dos mentores do projeto.

Felipe Rodarte, produtor musical e um dos mentores do projeto, sublinha a personalidade da cantora Sandyalê – “Mulher nordestina, sua música representa bem sua força.  Na canção se transforma e mostra garras e desenvoltura. Sergipe é o berço dessa força bruta, canção para dançar, prestar atenção e adorar”.

Instagram | Facebook | Youtube | Spotify

 

 

Tuim é um projeto musical formado por Felipe Habib e Paula Rai, acompanhados por Marcelo Callado, Pablo Arruda e Victor Ribeiro. Proclamam-se um duo de pop adulto, com letras que trazem temáticas contemporâneas, existências e viscerais, colocando o dedo na ferida. Em 2019, Tuim lançou os singles “Linhas Tontas” e “Tuim”. Neste ano, destaca-se “Ei, você está aí?”, single produzido durante a quarentena.    Em prol de uma campanha de arrecadação de recursos para ajudar comunidades carentes. Músicas lançadas pelo Labsonica:

Fica um pouco mais – Uma parceria de Paula Raia e Felipe Habib. Atravessados pela correria dos tempos em que vivemos, pela efemeridade dos acontecimentos e pela ebulição dos sentimentos, “fica mais um pouco” é um convite para pausa. Para alargar o presente. Para repousar na simplicidade de cada vivência, como tomar um café em companhia, por exemplo. “A canção recebe o título de “fica mais um pouco” como uma síntese a esse convite para a possibilidade e abertura de desacelerar: o próprio tempo, a cabeça, o coração, os sentimentos e as ações.”– analisa a dupla.

Tu –  “É uma parceira de Paula Raia e Felipe Habib. “A poesia da canção surge da vivência das relações e da possibilidade e necessidade de transformações diárias para a manutenção das mesmas. Não é tarefa fácil se relacionar e é tarefa mais difícil ainda cultivar os relacionamentos em tempos cada vez mais líquidos. Muitas vezes as diferenças ou mesmo as semelhanças não trazem conforto, mas servem como movimento de transformações positivas, através do afeto e da escuta. Em equilíbrio, os solos de relacionamentos são férteis. Em desequilíbrio, são secos.“ – acredita a dupla Tuim.

“Tu” recebe esse título porque, sem tu, não tem “nós” e nem mesmo “eu”. Todo indivíduo precisa do outro para existir. Dentro desse “tu” cabe o mundo inteiro. – analisa a dupla Tuim.

Instagram | Facebook | Youtube | Spotify

 

 

Varandão é formada por Coutinho, R. Guerra, Felipe Cof. Dan, Maneko e Alek, o grupo de Campo Grande, Zona Oeste do RJ, nasceu em 2018, da vontade dos integrantes de fazer música e amplificar o alcance. Após organizarem algumas jams, o projeto se solidificou, com influências de Trap, R&B, Hip-Hop e rock, o grupo busca trazer roupagens novas a cada lançamento. Seu primeiro lançamento, no ano de nascimento, foi “Avenida Cesário de Melo”. Em seguida vieram “Santana”, “Alegre” e “Papo de Envolvimento”. Todos os integrantes são do mesmo bairro e apesar de terem diferentes estilos e projetos se uniram com a vontade de fazer música.

“Esses meninos tiveram que trabalhar desde cedo e interpretam essa música com um desejo pulsante de existir, de se libertarem da rotina que os afastam do que realmente gostariam de estar fazendo. A gente fica na torcida para que eles continuem fazendo música e possam assim, respirar.” Conclui Constança Scofield, uma das idealizadoras do programa de aceleração Labsonica – Toca do Bandido. Músicas lançadas pelo Labsonica- Toca do Bandido: 

Amada – Um trap funk é como se pode começar a definir a faixa “Amada” com produção musical de Felipe Rodarte, uma música da Boyband de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro é a história de um garoto de coração partido pela “braba” do bairro, que dita as normas da relação e o deixa com saudades. “O Trap está mais no uso de elementos estéticos como o uso de autotune como efeito. Lógico que tudo misturado e buscando uma sonoridade própria” – analisa o produtor musical Felipe Rodarte.

Ar – “Um tom de liberdade. Sair do sufoco. A ideia da composição é de conseguir ser dono do seu dia, de encontrar a liberdade”, é assim que Cout1nho, um dos vocalistas e compositores da banda Varandão define a letra.

Para R. Guerra, cantor, compositor da banda a letra traz um estado de respiro, de estar sob pressão. “Ar, será que alguém me dá um pouco?”, explica Guerra. A música é da banda Varandão, uma Boyband de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, que é influenciada por traps, atravessados pela música brasileira.  

“AR fala da questão de se sentir sufocado, tem a ver com a relação de um casal, de amigos ou mesmo a pessoa que precisa sair, ver a rua, tem muito a ver com esse momento que a gente está vivendo de pandemia.” Analise o produtor musical Felipe Rodarte e complementa – “A gente misturou bateria eletrônica com bateria, com elementos falando de DJ trazendo para esse lugar de raiz com contemporaneidade.”

Instagram | Facebook | Spotify


Data

dez 05

Hora

18:00 - 20:00

PARA TER ACESSO A ESTE CONTEÚDO, ADQUIRA A PRO-BADGE OU UM INGRESSO AVULSO (DISPONÍVEL APENAS PARA ASSINANTES DA SIM COMMUNITY)

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguês do Brasil