O que perdemos quando uma casa fecha? As casas de shows são centros culturais de formação de público, lugares de interação social, formação de identidades, incentivo ao surgimento de novos artistas, construção de audiências, formação de cenas, mobilizador de comunidades, de transformação social, além de geração de renda, empregos, impostos. Muitas não sobreviveram à pandemia. Este painel pretende discutir quais os impactos imediatos da redução drástica de espaços para apresentações ao vivo numa região e, a médio e longo prazo, o que isso pode significar para a economia local, todos os setores do mercado da música e identidade de uma cidade. Para as que sobreviveram, quais são os protocolos de reabertura com redução da capacidade? Possível aumento dos preços? Redução de equipes e de programação? E quais as alternativas e modelos híbridos de funcionamento que podem ser saídas para alcançar a sustentabilidade financeira. A demanda de um plano de recuperação que envolva todos os setores para salvar a vida noturna das cidades se faz urgente!

 

Palestrantes: Laura Wilson (NIVA – Save our Stages/USA), Lutz Leichsenring (Nighttime.org/Alemanha), Camila Anino (Music Cities Events/UK), Maria Juçá (Circo Voador/RJ), Vince de Mira (Commons/BA)Luiza Morandini (Jazz Nos Fundos/SP) e Ariel Palitz (NYC Mayors Office of Nightlife/USA). Mediação: Ricardo Rodrigues (Let’s Gig/SP).


Data

nov 30

Hora

20:00 - 22:00

PARA TER ACESSO A ESTE CONTEÚDO, ADQUIRA A PRO-BADGE OU UM INGRESSO AVULSO (DISPONÍVEL APENAS PARA ASSINANTES DA SIM COMMUNITY)

Comentários

pt_BRPortuguês do Brasil